quarta-feira, 9 de novembro de 2016

UMA LENDA UM HERÓI


Acredite quem quiser, mas qual não teria sido minha surpresa ao chegar à varanda, e ver estacionada próxima à minha casa, uma daquelas antigas CARROÇAS acompanhada de um dócil animal. Coisa rara de se ver nos dias atuais, fato este que me levou, inevitavelmente, a lembrar de nosso heróico DADÁ LIXEIRO. Lamento que muitos não tenham chegado ao menos a conhecê-lo, pois foi uma pessoa extremamente SIMPLES, TRABALHADORA e que marcou muito uma época.

Com sua estatura baixa, pernas arqueadas, andar campesino e sob a proteção de um imenso sombreiro de palha e uma enorme botina, marchava com sua folclórica carroça e um velho burro, a recolher de porta em porta, o lixo da cidade.

Pendurada na carroça seguia com ele uma vassourinha, e com ela varria cantinho por cantinho das ruas e praças por onde passava. Sinceramente, ainda hoje fico pensando como conseguia tal façanha de percorrer sozinho e dar conta do recado de toda uma cidade.

Nem mesmo as mudanças climáticas o impediam de realizar seu árduo trabalho, pois, sob o agasalho de uma enorme capa preta de chuva jogada sobre os ombros, caminhava sempre em frente, como se nada estivesse acontecendo.

Interessante é que não havia a cultura dos lixos depositados nas calçadas, sendo que a população, de maneira bem disciplinada, esperava a passagem da carroça para que pudesse entregá-lo pessoalmente.

E era dessa forma que, por décadas, na companhia de Deus, seguia percorrendo cada canto da garbosa cumprindo sua difícil e digna missão.
      
Se ainda não há uma RUA em seu nome, vai aí uma sugestão.

Crônica e foto: Serjão Missiaggia

3 comentários:

  1. Lembro-me perfeitamente desse grande homem, eu ainda molequinho ele passava e tirava um tempinho pra brincar com a gente.Muita saudade daquele tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bira. Bons tempos, ótimas pessoas!

      Excluir
  2. Dígna sua sugestão, ele merece esta homenagem.

    ResponderExcluir

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL