quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

CAUSOS DO STIDUM - Parte 1: Um Resgate Musicado!!!


Foi deparando-me recentemente no Facebook com uma postagem feita por Jaqueline Girardi Reis, que vinha acompanhada por essa relíquia de foto acima, dos anos setenta, que eu, na condição de morador há mais de cinquenta anos do local, resolvi contar alguns causos pitorescos ali acontecidos. E o primeiro deles é mais ou menos assim:

Meu pai, já bem doente no final de mil novecentos e oitenta e oito, resolveu construir uma escada de madeira pra mim. Por sinal, uma escada incrivelmente pesada para que eu pudesse, segundo meu velho, alcançar alguns pontos de difícil acesso de nossa centenária casa. Jamais imaginaria e, com certeza, meu pai também não, que aquela escada seria tão útil no futuro.

Já no ano seguinte, mal haviam se passado duas semanas de seu falecimento, quando um corre-corre na rua, em direção ao córrego, nos dizia que algo muito estranho teria acontecido.  E não deu outra.

Ao chegar à sua beirada, visualizei de imediato que um carro havia caído lá dentro, e que,  tombado e posicionado de lado com o som ainda ligado, parecia estar com seu condutor preso ou desmaiado em seu interior.

Meio que desesperado diante da dificuldade dos mais de cinco metros que nos separavam do veículo, a única coisa que me veio à cabeça naquele momento foi buscar a tal escada que meu saudoso pai havia me deixado de herança. Coincidentemente, seu comprimento correspondia mais ou menos com a altura do muro, ou seja, em torno de seis metros.

E assim fui eu, desajeitado pela rua com aquele imenso peso nos ombros, tentar posicionar da melhor maneira a referida escada, o mais próximo possível do veiculo.  Tudo embalado com boas músicas vinda do interior do carro que, com seu som a toda altura, ainda permanecia ligado. Literalmente, um resgate com fundo musical.

O pior foi que eu não conseguia de forma alguma, devido à altura do muro, dispor a escada no leito do córrego, pois, infelizmente, ela era um pouco menor que a altura do muro. Como única alternativa, na tentativa de ajeitá-la com mais segurança, procurei com a ajuda de alguns voluntários que se prontificaram a firmar minhas pernas, debruçar sobre aqueles murinhos jogando metade de meu corpo para baixo. Esta seria a única maneira de conseguir alcançar e continuar a firmar a escada.

Naquele instante, sem que ninguém estivesse esperando (principalmente eu), eis que me sai de dentro do carro, com todo gás, nosso amigo acidentado. Para meu espanto e desespero, em função de não ter ainda acabado de acomodar a escada, ele começou a subir os degraus como um relâmpago. Enquanto isso, com a ajuda da galera da superfície, que continuava agarrada em minhas pernas, eu tentava a todo custo firmar a escada, que, ainda perigosamente reta paralela ao muro, ficava insistindo em querer tombar para o lado oposto.  Foi quando percebi que algo acabara de passar como foguete por cima de mim e que, usando meu corpo como degrau, somente não me jogou lá dentro devido à ajuda daqueles que permaneciam segurando  minhas pernas.Do contrário, meu amigo, eu teria  também mergulhado com escada e tudo pra dentro do STIDUM!

Por ironia do destino, apenas duas semanas depois daquele ocorrido, começou a obra de cobertura do córrego, hoje Pracinha do Chafariz. Fazê o quê, né!

Crônica: Serjão Missiaggia
Foto     : Face da Jaqueline Girardi Reis

5 comentários:

  1. Nilson Magno Baptista14 de janeiro de 2015 20:39

    Parabéns à equipe do Pitomba por mais esta conquista.Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nilson Magno Baptista14 de janeiro de 2015 20:43

    100.000 acessos não é pra qualquer um não! Só mesmo vocês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo Nilson, tanto pelo elogio, quanto pelas histórias que dividimos juntos para, hoje, relembrá-las.

      Excluir
  3. Este caso é muito bom.
    Bendita , ou melhor, bem feita, esta escada do pai. Sô Tunin não era fácil. Saudades dele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sô Tunin era da estirpe de homens de bem, como o Vô Cavalheiro, Manoel Florindo, Sylvio Rigolon e tantos outros que citamos aqui como se fossem personagens de um livro do Garcia Márquez, mas que foram reais, inimitáveis, imprescindíveis.

      Excluir

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL