quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

SENSATA LUCIDEZ



Enquanto a dança desigual corrompe, fere... corre lá fora,
A verdadeira vida a ignora,
Fazendo-nos ser, aprendiz e professor,
Servos de nós... Não o Senhor...

Vida... Vida! Magia que fascina esconderijo das ilusões,
Vida é liberdade nos anseios das canções,
Seus detalhes, seus segredos, matam a sede da esperança,
Ser poeta, ser criança,
Ser feliz por simplesmente ser.

Se é serena e mansa a consciência,
Feliz do coração de quem alcança,
Pois se lança inconsciente por caminhos que sonhou.

É no sentimento sincero que a alma brilha e se aquece,
E se o pensamento é tão puro, tudo ainda mais se enobrece,
Verdadeiro tesouro que enriquece,
E a vida segue viva, plena, livre, cristalina,

A um destino digno, se faz abraçar...

Poesia e foto: Serjão Missiaggia

5 comentários:

  1. Sensata sensibilidade !
    ( Na poesia e na imagem )

    ResponderExcluir
  2. Uma beleza! pode saber que sou sua admiradora! Beijos! Edna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Edna, é uma honra tê-la como admiradora!

      Excluir
  3. "Ser feliz por simplesmente ser"
    "Se é serena e mansa a consciência/ feliz do coração que a alcança"
    Você nestes versos, dignos de uma profunda reflexão, você disse tudo, Serjão.
    Beijos

    ResponderExcluir

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL