sexta-feira, 20 de novembro de 2015

SOMOS TODOS TERRORISTAS?


Vamos para a Internet e vemos ódio, mortes, sujeira (real e figurada) e um tanto de conversa fiada. Para cada tragédia, uma propaganda; para cada morte, um perfil e para cada sujeira, uma lição de moral.

A verdade é que, com o passar dos anos, vamos nos acostumando com essa lengalenga e sempre temos a tendência de dizer: é, o mundo vai mesmo de mal a pior, nunca as pessoas foram tão ruins e nunca os políticos foram tão ladrões.

Vocês concordam? Eu não! Quem vai chegando aos sessenta anos sabe que essa história de fim do mundo é do tempo de nossos avós. Dizer, então, que as pessoas nunca foram tão ruins, é papo de quem não lê a História e nunca ouviu falar de Nero, Hitler e Khmer Rouge. E político ladrão, eu acho até que é pleonasmo.

Discutimos, debatemos, chegamos até a disputar qual tragédia é pior, a nossa mineira ou a dos franceses. No fim das contas, perplexo e parado em frente ao Facebook, chego a uma conclusão: nós somos parte de tudo isso!

Mas, como assim? Quer dizer que eu sou igual a um jihadista alucinado que, vendo um lugar com pessoas felizes, sai atirando e matando todo mundo?

E, talvez porque esteja ficando caduco, eu respondo que sim. O que passa pela cabeça de uma pessoa que odeia? Primeiro, ela se sente separada dos demais, tipo: eu não sou tão fútil quanto o fulano, ou não tão esquerdista quanto o fulano, ou não tão gay quanto fulano. Reconhecem esses pensamentos? São muitas vezes pensamentos nossos que, pela falta de uma metralhadora real, usamos a metralhadora cheia de mágoas de que o Cazuza falava, e despejamos nosso ódio no face, no trabalho, no futebol, na esposa ou no esposo ou nos filhos.

No fundo, no fundo, é um ressentimento: as pessoas são diferentes de nós, e o pior é que TODAS as pessoas são diferentes de nós. Aí, como normalmente nos julgamos super do bem (esta é também a mentalidade do terrorista), nos achamos no direito de criticar ou então, o que é mais doloroso, dar conselhos para que a pessoa deixe de ser o que é e seja assim tão boa e legal como nós somos.

Então, qual seria a solução? Há algo que possamos fazer para que as coisas mudem? Nessa hora, me lembro muito bem de uma lição do nosso querido Betto Vampiro que, numa aula de OSPB, disse que a cidade de Londres poderia ser varrida em 15 minutos... se cada um varresse em frente à sua própria casa.

Então, como não temos expertise para abrir o Mar Vermelho, vamos fazer o que sabemos fazer de melhor: defender com orgulho a recuperação do Rio Doce, e também do Bataclan. Além disso, ir a um show do Emmerson Nogueira, conversar fiado no Bar Central e, quem sabe, tirar a esposa pra dançar, na cozinha, às duas da tarde, de avental.

Crônica: Jorge Marin

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Uma boa conversa com uma pessoa interessante tem um efeito revigorante.

    ResponderExcluir

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL