sexta-feira, 1 de abril de 2016

MORRE UMA POETISA


Morre uma poetisa
E nada acontece
O mundo anda
O ônibus atrasa
E nenhuma pessoa se toca
Chove uma chuva fina
E floradas no outono
Teimosas se entregam ao vento

A morte da poetisa
Não é evento
Nem cerimônia
Ou efeméride no parlamento
E o corpo da poetisa morta
Se eleva leve
Bolhas de sabão metafórico
Serenos versos

No entanto, nós
Que estudamos para entender
A rima das colmeias
Ou a naturalidade das crianças
Certamente iremos chorar
Com algumas doces e ternas lembranças
Desta estrela em nosso caminho:
Déa forno fogão escrita e sonhos
Sonhos que voltam como ela dizia
E que sonharemos felizes com certeza...

Poesia: Jorge Marin

4 comentários:

  1. Parabéns Jorge Marin, muito bonita sua Poesia! Muito bem bolada! Abraços. Edna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Edna, não sei se vc percebeu, mas grande parte das estrofes são títulos dos livros dela, ou seja, ela construiu frases belas que apenas pegamos emprestado e rearranjamos.

      Excluir
  2. Gabriel Verardo Loures3 de abril de 2016 12:13

    Emocionante e emocionado Jorge Marin. Fica até difícil neste momento para todos nós familiares externar com exatidão esta homenagem sincera e grandiosa. Com certeza ela está aplaudindo a beleza poética que lhe é direcionada de forma tão carinhosa, num momento em que todos os fluidos positivos se irmanam nesta despedida. "As pessoas que amamos não morrem jamais. Apenas partem antes de nós!" Em nome da família Verardo Loures a nossa gratidão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há o que agradecer, Biel. Quando um poeta morre, diminui muito a nossa capacidade de nos encantar com as pequenas coisas. A poesia da Dona Déa era recheada de objetos e situações simples que, após referidos na poesia, assumem ares de tesouros. O que eu fiz foi recolher esses conceitos, pequenos tesouros, que ela nos revelou. E agradecer. Abraço fraterno a todos!

      Excluir

BRIGADU, GENTE!

BRIGADU, GENTE!
VOLTEM SEMPRE, ESTAMOS ESPERANDO... NO MURINHO DO ADIL